Reforma Administrativa gera polêmica entre servidores municipais

Por Giro das Cidades em 30/12/2021 às 12:10:53

Uma reunião entre vereadores governistas, oposicionistas, sindicato e servidores públicos municipais esquentou os termômetros na manhã/tarde desta quarta-feira (29) no plenário da Câmara Municipal. Em pauta, o projeto de Lei Complementar 15/2021 que trata da reforma administrativa da prefeitura de Arcoverde e prevê aumento no número de cargos comissionados, cortes de gratificações e reajustes salariais.

Uma das grandes celeumas da discussão é o fim da Gratificação de Desempenho de Efetivo Condicional (GDEC), criada em 2014 e condenada pelo Tribunal de Contas pela sua irregularidade. O grande problema é que até agosto de 2017, quando foi aprovada a Lei Complementar nº 011/2017, era feito o desconto previdenciário. Os servidores agora cobram o que foi pago irregularmente até então. Pelo menos 188 servidores efetivos perdem a GDEC, segundo nota do Sindicato dos Servidores municipais.

O projeto de lei também prevê que a partir de janeiro todos os servidores públicos municipais terão como salário base o valor de R$ 1.300,00; um pouco acima do salário mínimo que passa a ser de R$ 1.210,44 em 2022. Prevê ainda a criação de 69 novos cargos comissionados e todos os existentes serão reajustados, passando o salário de Secretário de R$ 6 mil para R$ 7 mil.

A reforma administrativa prevê ainda a modificação da Arcontrans que ficará também responsável pela área de segurança, passando ser denominada de "Autarquia de Trânsito, Transporte e Segurança de Arcoverde" e o presidente do órgão que tinha salário igual ao de secretário municipal, será um pouco maior: irá receber mensalmente R$ 9 mil.

O projeto extingue ainda a pasta de Comunicação, vinculada a Secretaria de Cultura e Comunicação que agora fica somente Secretaria de Cultura. A comunicação passa a ser uma assessoria do Gabinete do prefeito, nível CC3. Pelo PL, fica criada a Secretaria de Esportes, compromisso do prefeito feito em campanha; e a Secretaria da Mulher. Ao todo, a prefeitura passará a contar com 16 secretarias.

Em nota, o presidente do sindicato dos servidores, Caio Magalhães, revela que "Conforme dados coletados no Portal da Transparência hoje existem preenchidos 154 cargos, que custam aos cofres públicos R$ 400.696,78 mensalmente entre comissionados e secretariado. Com a aprovação do projeto de Lei Complementar 15/21 passaram a ser 223 cargos, que custarão R$ 721.500,00. Ou seja, os novos comissionados e o aumento custarão R$ 320.803,22 a mais na folha de pagamentos".

O governo defende o reajuste sob a alegação de que o último reajuste foi feito em julho de 2013, há mais de 8 anos, e pela primeira vez o menor salário dos servidores públicos municipais será maior que o mínimo. Com isso, em 2023 o salário do servidor não seguirá o reajuste do mínimo que ocorre todos os anos.

Por falta de parecer final das comissões, o projeto que seria votado nesta quarta-feira (29), acabou ficando para outra data ainda não definida pelo presidente da casa legislativa, podendo ocorrer ainda amanhã (31), último dia útil do ano em sessão extraordinária.

Comunicar erro

Comentários